Serra Catarinense. Sexta-feira, 24 de Outubro de 2014
Lages Garden Shopping - Inauguração 20 de Novembro
EM CARTAZ
ÁREA DO ASSINANTE

Área de acesso restrito aos assinantes do Jornal Correio Lageano:



Esqueci minha senha

Central de Vendas Correio Lageano (49) 3251-8200
Correio Lageano

Redação: 49 3221 3344
redacao@correiolageano.com.br

Comercial: 49 3221 3322
comercial@correiolageano.com.br

CLMais Variedades

:: 13/07/2012 | Bocaina do Sul

32ª edição da Mostra do Campo

32ª edição da Mostra do Campo

Texto:

Bocaina do Sul, 14 e 15/07/2012, Correio Lageano

 

 

 


Em sua 32ª edição, a Mostra do Campo é a festa mais antiga da Serra Catarinense e deve atrair 20 mil pessoas até domingo

 

 

 


A festa mais tradicional e mais antiga da Serra Catarinense, a Mostra do Campo, teve abertura oficial nesta sexta-feira (13), sob aplausos de autoridades para o desfile dos agricultores e seus produtos da atividade familiar. Na 32ª edição, o evento deve atrair até domingo cerca de 20 mil pessoas. Só na parte campeira mais de 200 equipes de laçadores já estão confirmados.

 

 


Ao contrário do ano passado que choveu durante os dias da festa, o tempo bom sinaliza, para este ano, o maior público desde que o evento se realizou pela primeira vez, em 1978. A prefeita Marta Góss observou que só na parte campeira, os tradicionalistas comparecem com a família. “Cada festa tem sua característica, mas neste ano, incrementamos em organização e, especialmente, na programação com shows, bailes, rodeio crioulo, cavalgada, gineteadas e toda uma programação voltada a comemorar os 18 anos de emancipação de Bocaina do Sul”, descreveu.

 

 


O desfile típico de agricultores, tradicionalistas e convidados encantou a plateia no parque Municipal de Exposições. A credibilidade que conquistou a Mostra do Campo em mais de três décadas é o principal fator do sucesso. Tanto que a Associação dos Produtores Rurais é o principal apoiador do evento e ajuda, inclusive, a preparar a população para receber os visitantes.

 

 


O presidente da associação, Jonildo Tadeu de Oliveira, disse que a Mostra do Campo é uma vitrine da economia do município. “Isso justifica nosso empenho”, declarou. A rainha da festa Leandra Pessoa de Liz e as princesas Larissa da Costa Melo e Paloma Barcelos recepcionaram as autoridades e agradeceram ao secretário de Estado da Agricultura, João Rodrigues, a liberação de R$ 60 mil do Estado para realização do evento.

 

 


Vilmar Rodrigues Ramos, 53 anos é agricultor e artesão. “Na minha propriedade plantamos de tudo. Moranga, batata-doce, aipim, fumo, cebola e hortaliças. Ainda faço peneira, cestos de taquara, cabo de ferramentas e até vassoura. Há 27 anos participo da Mostra do Campo e além de expor nossos produtos vendemos aos visitantes. A festa é uma grande oportunidade para nós”.

 

 

 

“Girico” desperta a curiosidade

 

 


Motorista de ônibus, José Carlos Neto, 37 anos, demorou dez meses, mas construiu seu próprio carro para transportar lenha, madeiras, ferramentas e, principalmente, as caixas de mel e abelhas na propriedade de seu pai, na localidade de Pessegueiros. O “girico”, como é chamado, foi uma das atrações no desfile de abertura da Mostra do Campo.

 

 


A tradução para “girico” poderia ser; “bicho sem cabeça..., pessoas sem noção. Mas esta definição não se aplica a José Carlos. Ele aproveitou as poucas horas de folga para desenvolver, talvez o maior desafio de sua vida. O carro tem um chassi inventado por ele. O motor, caixa e diferencial são de Chevette e as rodas dianteiras de Fusca. A gabine é de lata de câmara fria e a carroceria de madeira.

 

 


“Tudo foi desenvolvido por mim. Os pneus traseiros mandei colocar as garras para andar no interior. Tudo começou porque meu pai não tinha como levar as caixas de abelha nem buscar o mel, porque o acesso é ruim”, explica José Carlos. O “girico” não possui documentos, não sai da propriedade e seu uso é exclusivo nas atividades rurais.

 

 


O carro possui faróis e sinalização e como é usado apenas para trabalho quando não está chovendo, não possui limpador de para-brisa. Os acentos são do Palio e o painel é do Chevette. José Carlos diz que, pelo menos cinco meses foram só de estudos.

 

 


O motorista foi adaptando peça por peça mesmo sem ser mecânico. Há quatro meses a condução está em atividade e seu custo final ficou na faixa de R$ 3 mil. Agora, seus planos são trabalhar e passear com a mulher, a filha e o filho, dentro da propriedade. Todos abordo do “girico”.

 

 



Fotos: Onéris Lopes/Divulgação

  • 32ª edição da Mostra do Campo
    Na abertura da festa, a prefeita Marta Góss destacou a organização da festa
  • 32ª edição da Mostra do Campo
    Proprietário do Girico fez a adaptação de cada peça para fazer o carro

Comentários

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha. Caso não tenha cadastro, clique aqui. | Esqueci minha senha >>

  • (*) Campos obrigatórios.

Últimos Comentários