Serra Catarinense. Quarta-feira, 23 de Abril de 2014
CL+
EM CARTAZ
ÁREA DO ASSINANTE

Área de acesso restrito aos assinantes do Jornal Correio Lageano:



Esqueci minha senha

Central de Vendas Correio Lageano (49) 3251-8200
Correio Lageano

Redação: 49 3221 3344
redacao@correiolageano.com.br

Comercial: 49 3221 3322
comercial@correiolageano.com.br

:: 01/07/2012 | Serra Catarinense

O acidente e o congestionamento

O acidente e o congestionamento

Texto:

Santa Catarina, 02/07/2012, Correio Lageano, por Thomas Michel

 

 

A falta de acostamento no trecho urbano de Santo Amaro da Imperatriz dificulta o fluxo de carros. Basta um acidente e tudo para

 

 


Domingo passado (dia 24/06) quando o motorista de uma Saveiro não deixou a distância de segurança e acertou o carro a sua frente. Quase sem danos materiais, colocou o triângulo para sinalizar que havia ocorrido um acidente e se pôs a discutir com o motorista do veículo atingido. Só não colocou o carro no acostamento porque não tem. O local do acidente é na saída de Santo Amaro, perto da divisa com Palhoça, onde as proteções de metal ficam junto da pista.

 

 


Para quem viajava para Oeste, a passagem estava livre, mas quem ia em direção a Florianópolis precisava fazer um pequeno desvio na contramão. Até para a Polícia Rodoviária Federal (PRF) foi difícil chegar no local do acidente.

 

 

Não foi somente o motorista da Saveiro que se estressou. Outras centenas de condutores que ficaram presos em uma fila (que iria até o distrito de Varginha, quase em Águas Mornas) também sofreram as consequências. Entre a BR-101 e Santo Amaro, as condições também não eram das melhores. Resultado: quase três municípios parados na BR-282. São mais de 10km de filas e quase nenhum fluxo para quem quer chegar ao litoral.

 


Perto da localidade de Varginha, quase na divisa entre Águas Mornas e Santo Amaro da Imperatriz, os motoristas que iam em direção a Florianópolis perguntavam para a reportagem do Correio Lageano o motivo das filas. Quando informados que era um acidente, a principal reação era de achar que tinha sido “feia” a batida, por conta das filas. Depois de ficar sabendo que era acidente pequeno, a pergunta é se era na parte urbana de Santo Amaro.

 


No local do acidente, a média mensal de batidas (quase todas sem vítimas) entre carros, é de 3,9. Ou praticamente um por semana.

 

 


Protesto e promessas

 

A comunidade de Pagará, em Santo Amaro da Imperatriz, fez um protesto pela construção de um trevo no entroncamento com a BR-282. São cerca de 2 mil pessoas que moram na margem norte da rodovia e precisam cruzá-la para ir ao centro da cidade.

 

 


Segundo o empresário Luiz Ortiz, a reclamação não é recente. “Já fazem uns dez anos que estamos pedindo um trevo”.

 


Desta vez os moradores foram atendidos pelo Dnit. Uma semana depois dos protestos, o órgão prometeu a construção de vias marginais. A reportagem do Correio Lageano entrou em contato com o órgão pedindo maiores informações sobre o que será feito, mas até o fechamento desta edição, não houve resposta.

 

 


Luiz considera “balela” a promessa. Ele conta que já houve uma promessa para a resolução do problema, do órgão. “Vai ali e olha o valo, eles trouxeram um trator, começaram a abrir e parou, já faz um tempo”, conta.

 


O problema é maior nos finais de semana quando tem festa. Logo na entrada de Pagará, duas faixas dão conta de bailes que acontecerão nos próximos dias. O resultado é um grande fluxo de pessoas saindo do centro da cidade e indo para o interior via Pagará. “Aí fica cheio, dá muito acidente”, explica Luiz.



Clique aqui e leia todas as matérias da série BR-282:Diário de Viagem

 

 

Fotos:Thomas Michel

  • O acidente e o congestionamento
    Santo Amaro da Imperatriz
  • O acidente e o congestionamento
    Santo Amaro da Imperatriz

Comentários

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha. Caso não tenha cadastro, clique aqui. | Esqueci minha senha >>

  • (*) Campos obrigatórios.

Últimos Comentários