Serra Catarinense. Domingo, 11 de Dezembro de 2016
Anuncie Classificados Correio Lageano
Instituto José Paschoal Baggio
Anuncie Essencial Correio Lageano
EM CARTAZ
ÁREA DO ASSINANTE

Área de acesso restrito aos assinantes do Jornal Correio Lageano:



Esqueci minha senha

Central do Assinante Correio Lageano (49) 3251-8200
Correio Lageano

Redação: 49 3221 3344
redacao@correiolageano.com.br

Comercial: 49 3221 3322
comercial@correiolageano.com.br

Guia Turístico Serra Catarinense 2016

:: 16/05/2012 | Política

Ministro promete apoio financeiro para os fruticultores do Sul

Ministro promete apoio financeiro para os fruticultores do Sul

Texto:

Brasília, 17/05/2012, Correio Lageano

 

 

 

 

Prefeitos, deputados e senadores catarinenses, gaúchos e paranaenses pressionaram e conseguiram do ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, o sinal verde para renegociar as dívidas do setor estimadas em R$ 60 milhões. A audiência que teve participação quase maciça dos prefeitos da Serra Catarinense, aconteceu nesta terça-feira (15), no gabinete do ministro. A comitiva pediu, ainda, ao ministro R$ 40 milhões para subvencionar a safra 2012/13, calculada hoje em 1,3 milhão de toneladas.

 

 


O senador Luiz Henrique (PMDB-SC) pontuou três questões fundamentais que agravam a crise no setor e prejudica principalmente Santa Catarina, o maior exportador de maçã brasileiro. Primeiro a inexistência de consórcios cooperativos para a comercialização da safra; segundo, a cobertura dos pomares com redes para evitar danos à fruta e por último a carência de plataformas para agilizar a colheita.

 

 


O presidente da Amures, Amarildo Gaio disse ser urgente estabelecer um equilíbrio na comercialização da fruta e impedir que continue a ser negociada a preço tão baixo para o produtor e tão caro para o consumidor. “Há uma distância gigantesca entre o setor produtivo e o comercial. E isso é só um dos problemas que temos de enfrentar”, ratificou Gaio.

 

 


O Brasil é o 9º maior produtor mundial de maçãs. O segmento é altamente relevante para a economia nacional na geração de empregos e renda. Dados apresentados ao ministro revelam que a agricultura da maçã proporciona 56 mil empregos diretos e 112 mil empregos indiretos. Ela cria 150 vezes mais empregos em uma mesma área do que as culturas de grãos.

 

 


A Associação Brasileira de Produtores de Maçã entregou ao ministro a “Carta de Vacaria” – com os pleitos que considera emergenciais para a categoria. Os fruticultores solicitam um plano de dois anos de carência, mais dez anos para pagamento da dívida, com taxas de juros limitadas a 6,75% ao ano para as dívidas vencidas e a vencer. Buscam também linha de crédito para capital de giro e a transferência do prazo de liquidação da Linha Especial de Crédito para comercialização da maçã dos atuais 180 dias para o mínimo de 240 dias.

 

 


Foto: Artur Hugen/Divulgação

    Assine o CL Online

    Comentários

    Para comentar esta notícia entre com seu e-mail e senha de assinante. Caso não seja assinante, clique aqui. | Esqueci minha senha >>

    • (*) Campos obrigatórios.

    Últimos Comentários