Serra Catarinense. Quarta-feira, 17 de Setembro de 2014
Lages Garden Shopping
EM CARTAZ
ÁREA DO ASSINANTE

Área de acesso restrito aos assinantes do Jornal Correio Lageano:



Esqueci minha senha

Central de Vendas Correio Lageano (49) 3251-8200
Correio Lageano

Redação: 49 3221 3344
redacao@correiolageano.com.br

Comercial: 49 3221 3322
comercial@correiolageano.com.br

Facebook CLMais | Correio Lageano

:: 18/04/2012 | Educação

Testes revelam problemas na escrita

Testes revelam problemas na escrita

Texto:

Lages, 19/04/2012, Correio Lageano

 

 


Pesquisa do Núcleo Brasileiro de Estágios, feita com mais de 6 mil alunos, indica que cerca de 40% dos estudantes são reprovados por apresentarem resultados ruins em testes ortográficos. Curiosamente, estudantes que trabalharão diretamente com texto são os que têm piores resultados.

 

 

 

 

Acadêmicos de cursos de comunicação e informação são reprovados em 43,67% dos casos. No teste elaborado pelo núcleo, metade dos alunos de jornalismo reprovou. O pior resultado, porém, está nos segmentos de artes e design, onde sete em cada dez estudantes não alcançaram índice satisfatório. Com um índice inverso, os estudantes de engenharia são os que ficaram com os melhores resultados.

 

 

Para a professora do curso de Letras da Uniplac, Schirley Braz, os alunos chegam na faculdade com problemas graves de português. “A gente tenta corrigir, mas a universidade não é o lugar para se alfabetizar, existem outros conteúdos”. O problema mais grave está nas parônimas e homônimas. Ou seja, palavras muito parecidas, ou com a mesma grafia e significados diferentes.

 

 

 

Exemplos são aspirar (pode significar ‘querer’ ou ‘absorver’) e sessão/seção (a primeira significa ‘período de uma reunião’ e a segunda ‘parte ou divisão’). Outra situação em que muitas pessoas pecam na escrita é quando usam palavras que não estão no cotidiano. “Este tipo de dificuldade só é resolvido com a leitura”, explica Schirley. Quem não possuir um bom português pode ter problemas na vida profissional. Essa é a opinião da professora Schirley Braz. “Quem escreve bem detém um poder que tem valor no mercado”.

 

 

 


Schirley explica que a falta de aulas de português no currículo das universidades também é um problema. Isso só é corrigido com o empenho do próprio aluno, que precisa ler e escrever bastante para diminuir as deficiências.

 

 

 

 


Problema está no ensino básico

 

 

 

 

Nas séries iniciais, a criança já tem aulas de português. Separar sílabas a aprender o plural é o começo de uma jornada gramatical que se repete todo ano até a pessoa se formar. Porém doze anos estudando gramática não são o suficiente. “Existem muitos professores, principalmente da 1ª até a 5ª série que não dominam coisas básicas do português”, diz a professora Schirley Braz. Tal cenário faz que com o mau-exemplo se perpetue.

 

 

 


A má alfabetização não é culpa somente dos professores. Para Schirley os estudantes chegam na universidade lendo muito pouco. Segundo o Instituto Pró-Livro, o brasileiro lê, em média, quatro livros por ano. Na França, por exemplo, são sete. A internet, acusada muitas vezes de ser inimiga da ortografia não é considerada por Schirley como algo ruim para o aluno.

 

 

 

“Se o professor trabalhar que este tipo de linguagem é só para o mundo virtual, tudo bem; mas se ele permite isso dentro de aula, acaba tornando normal, e causa um problema”. Para resolver o problema, Schirley ressalta que é necessário melhorar a formação dos professores. “É algo estrutural”, avalia.

 

 

 

 


Foto: Suelen Grimes

Comentários

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha. Caso não tenha cadastro, clique aqui. | Esqueci minha senha >>

  • (*) Campos obrigatórios.

Últimos Comentários