Serra Catarinense. Segunda-feira, 02 de Maio de 2016
Anuncie Classificados Correio Lageano Festa do Pinhão 2016
Instituto José Paschoal Baggio
Anuncie Essencial Correio Lageano
EM CARTAZ
ÁREA DO ASSINANTE

Área de acesso restrito aos assinantes do Jornal Correio Lageano:



Esqueci minha senha

Central do Assinante Correio Lageano (49) 3251-8200
Correio Lageano

Redação: 49 3221 3344
redacao@correiolageano.com.br

Comercial: 49 3221 3322
comercial@correiolageano.com.br

Correio Lageano - Diversos formatos para anunciar

:: 12/11/2011 | Polícia

Policiais civis de Lages param por 11 minutos

Policiais civis de Lages param por 11 minutos

Texto:

Lages, 12 e 13/11/2011, Correio Lageano

 

 

Os policiais civis de Lages cruzaram os braços por 11 minutos às 11h de ontem. O ato é para chamar a atenção do governo, que deve apresentar uma proposta de melhoria salarial até o dia 16, segundo a delegada sindical regional, Marli Petry. “Já estão marcadas outras manifestações nos dias 16, 17 e 18”.

 

 

Ela diz que os policiais civis estão há 13 anos sem reajuste salarial. Hoje um agente, em início de carreira ganha R$ 781,82. “Um auxílio reclusão, para famílias de presos é maior que o salário de um policial civil”, diz. Hoje este benefício está em R$ 862,60.

 

 

Outra reivindicação é o aumento do efetivo, que, em 1986 era de 3.300 policiais civis e hoje está em 3.180. “As cidades cresceram, a criminalidade também e nosso efetivo reduziu”, diz o delegado Marcio Schütz. Segundo Marli, todo ano existem concursos para a Polícia Civil, mas isso não é suficiente. “O salário é tão baixo que o pessoal faz concursos para outras vagas em que se ganhe mais”, diz a delegada sindical.

 

 

Segundo ele, para complementar a renda os policiais fazem hora extra, que correspondem a um terço dos vencimentos. “Isso sem falar que, quando se faz mais de 40 horas extras, só é pago 40”, diz.

 

 

“Nós queremos que o governo aumente os salários e não fique com essa política de abonos e benefícios, porque isso não vai para a aposentadoria do policial”, diz Schütz.

 

 

Caso o compromisso do governo não seja honrado, os policiais civis prometem boicotar a operação veraneio. “Geralmente nós vamos até o litoral para trabalhar lá, já que a população aumenta bastante, mas se não houver resposta, os policiais do interior não vão se voluntariar”, diz Schütz.

 

 

O delegado ainda afirma que é preciso melhorar a infraestrutura e os equipamentos para o trabalho dos policiais, como coletes, armas, etc.

 

 

A Câmara de Vereadores fez uma moção de apoio aos policiais Civis, sendo que todos se posicionaram a favor do aumento de salário. Elói Bassin (PP) declarou que a defasagem salarial é de mais de 100%. A bancada do PSD, mesmo partido do governador, disse que está disponível para possíveis negociações com o estado.

 

 


Foto: Thomas Michel

    Assine o CL Online

    Comentários

    Para comentar esta notícia entre com seu e-mail e senha de assinante. Caso não seja assinante, clique aqui. | Esqueci minha senha >>

    • (*) Campos obrigatórios.

    Últimos Comentários