Serra Catarinense. Sábado, 25 de Outubro de 2014
Lages Garden Shopping - Inauguração 20 de Novembro
EM CARTAZ
ÁREA DO ASSINANTE

Área de acesso restrito aos assinantes do Jornal Correio Lageano:



Esqueci minha senha

Central de Vendas Correio Lageano (49) 3251-8200
Correio Lageano

Redação: 49 3221 3344
redacao@correiolageano.com.br

Comercial: 49 3221 3322
comercial@correiolageano.com.br

Facebook CLMais | Correio Lageano

:: 01/02/2008 | Economia

Tabela de preço do fumo é definida

Texto:


O reajuste foi de 7,6% em relação à tabela de 2007. O preço para tipo BO1, ficou  em R$ 93,75 a arroba

Rio Rufino

A tabela com os preços para safra de 2008 foi definida pelos produtores e pela indústria de fumo. Segundo a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc), que intermediou as negociações, o preço foi considerado razoável devido à redução significativa da oferta pelas questões climáticas.
A expectativa dos produtores era de que o preço seria mais por causa desta redução da safra, que também foi causada pela diminuição do plantio.
Em Rio Rufino, por exemplo, muitos produtores deixaram de plantar fumo e investiram na produção de hortaliças como tomate, repolho, cebola, cenoura entre outros. O produtor Manoel Gomes diz que reduziu a área plantada de oito para quatro hectares. "Vou ver como fica este ano. Se as hortaliças renderem mais, ano que vem não sei se investirei no fumo", diz ele. Em Santa Catarina, o setor fumageiro tem expressiva importância econômica e social.
Dos cerca de 200 mil produtores rurais catarinenses, 47 mil (24%) produzem fumo e têm nesta atividade uma das principais fontes de renda familiar.
Esta é uma atividade desenvolvida quase exclusivamente nas pequenas propriedades: 70% dos produtores têm propriedades com menos de 20 hectares e outros 25% menos de 50 hectares.
A área média de plantio é de 2 hectares por propriedade. A renda bruta de 1 hectare de fumo atinge R$ 4 mil, contra cerca R$ 600,00 do milho e do feijão, por exemplo.
Santa Catarina é o segundo produtor nacional, com mais de 30% da produção brasileira. Na região da Serra Catarinense há produção de fumo nos municípios de Ponte Alta, Rio Rufino, Urubici entre outros que têm uma produção menor.
Leia mais sobre:
< anterior