Serra Catarinense. Sábado, 18 de Novembro de 2017
Anuncie Classificados Correio Lageano
Instituto José Paschoal Baggio
Anuncie Essencial Correio Lageano
EM CARTAZ
ÁREA DO ASSINANTE

Área de acesso restrito aos assinantes do Jornal Correio Lageano:



Esqueci minha senha

Central do Assinante Correio Lageano (49) 3251-8200
Correio Lageano

Redação: 49 3221 3344
redacao@correiolageano.com.br

Comercial: 49 3221 3322
comercial@correiolageano.com.br

:: 16/07/2017 | Economia

Evento atrai mais lageanos e menos turistas

Evento atrai mais lageanos e menos turistas

Texto:

Lages, 17/07/2017, Correio Lageano, por Adecir Morais

 

O CL teve acesso, em primeira mão, a levantamento feito pela Fecomércio

 

O interesse do lageano aumentou em relação à Festa do Pinhão, em Lages. É o que mostra uma pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina (Fecomércio-SC). A coleta de dados ocorreu entre os dias 9 e 22 de junho. Foram abordadas 408 pessoas nas catacras de entrada do Parque de Exposições Conta Dinheiro. O grau de confiabilidade da pesquisa é de 95% e a margem de erro é de 5,0%.

 


 O levantamento, que o CL teve acesso em primeira mão, mostra que a quantidade de moradores de Lages na festa subiu de 41% (2016), para 55,9% este ano. Também aumentou de 3,7% para 6,4% o número de visitantes dos demais municípios da Serra. O mesmo levantamento indica uma queda do número de turistas, de 55,3% para 37,7%.

 


 Percebe-se que a frequência de turistas aumentou conforme a proximidade do último final de semana da festa. No último sábado do evento, 76% do público era de fora da região. Enquanto isso, na primeira semana, o maior movimento foi de visitantes locais.

 


Ainda quanto ao público, aumentou de 35,3% (2016) para 49,3% a participação de pessoas entre 18 e 25 anos. Por outro lado, caiu de 28,3% para 20,3%, e de 23,3% para 17,4%, o público entre 26 a 30 anos e de 31 a 40 anos, respectivamente.
Na divisão por sexo, houve equilíbrio entre homens e mulheres, com 50% de cada sexo (no ano passado, o público feminino foi de 51% e, o masculino, 49%). O levantamento apontou que os casados foram a maioria na festa (50,9%), superando o número de solteiros, que somaram 45,2%.

 


Perfil econômico_ A pesquisa também analisou o perfil econômico de quem frequentou a festa. Visitantes com renda familiar entre R$ 1.893 a R$ 4.730 foram a maioria (34%) - índice menor que os 29% de 2016. Em média, cada turista gastou R$ 827,38 durante o evento. A maior despesa foi com hospedagem (R$ 445,67).
Já o gasto médio por pessoa no comércio foi de R$ 128,65 contra R$ 116,02 do ano passado. Os setores de artesanato, calçados, vestuário, bares e choperias foram os que tiveram os melhores resultados.

 


Em relação à permanência do turista, a média de 2,9 dias do ano passado, foi superada. Desta vez, a maioria dos entrevistados disse que ficou, em média, 3,5 dias na cidade. A maior parte (55%) hospedou-se em imóveis de parentes e amigos; 24% em hotéis e 6,2% em pousadas.

 

Movimentação econômica

 

Além do público, a Fecomércio também entrevistou 203 estabelecimentos comerciais e 22 hotéis da cidade. O grau de confiabilidade do levantamento é de 95% e a margem de erro é de 6%.

 


Do total de empresários consultados, 50,5% avaliaram a festa de forma positiva. O faturamento do comércio e serviços avançou 7,8% em comparação aos meses que antecederam o evento. Para o setor hoteleiro, essa percepção é ainda melhor, 49,5%.

 


No entanto, na comparação à festa passada, o lucro dos empresários não foi tão expressivo. Eles disseram que, durante o evento, o faturamento aumentou apenas 1,1%. Mesmo assim, o resultado quebrou um ciclo de avaliações negativas dos últimos anos.

 


Com cerca de 3,6 mil leitos, a rede hoteleira também teve desempenho positivo. A média de ocupação dos leitos foi de 83%. Já o aumento do faturamento deste setor teve incremento de 39,1% em relação ao evento do ano passado.

 


Outra informação positiva está na geração de emprego. A pesquisa mostra que houve aumento no percentual de empresas que realizaram contratações temporárias para o evento, passando de 5,1% em 2016 para 12,1% neste ano.

 


Nota_O público também avaliou a qualidade do evento, de acordo com a pesquisa da Fecocomércio. Para tal, considerou aspectos como infraestrutura, limpeza, segurança e conforto no parque. Numa escala de 1 a 5, os visitantes deram nota 3,89. Os quesitos atendimento, hospitalidade, cortesia, atenção e conhecimento técnico dos trabalhadores, alcançaram a maior nota. Neste item, a avaliação foi de 4,22.

 

 

98,7% dos turistas indicariam o evento

 

A Fecomércio também apurou a opinião do público sobre a festa. Questionados sobre os preços dos ingressos, 2,1% dos entrevistados indicaram nível “excelente”, seguidos por 35,9% que consideraram “bom”, 24% julgaram como regular, 18,9% como “ruim” e 11,9% como “péssimo”.

 

Em relação aos atrativos, 50,6% dos visitantes destacaram os shows musicais como principal atrativo. A gastronomia foi citada por 18,6% dos entrevistados. O clima frio e as manifestações folclóricas foram outras opções bastante citadas, com 12,9%. E a maioria dos turistas (98,7) disse que indicaria a festa a um amigo.

 


A pesquisa também revelou que 86% dos entrevistados disse procurou o Parque de Exposições. Já o Recanto do Pinhão Aracy Paim, no Centro, foi citado por 43% e a Sapecada, no parque, por 31%.

 


Avaliação_O presidente da Fecomércio, Bruno Breithaupt, diz que os dados da pesquisa são relevantes para avaliar o evento sob a ótica dos turistas, sobretudo para a tomada de decisão dos empresários. “A festa já se consolidou no calendário nacional e hoje contribui para desenvolvimento da região”, observa. 

 

 

Para o diretor executivo da Câmara de Dirigentes Lojistas de Lages (CDL), Jonatan Roberto da Silva, a festa é essencial para a economia de Lages. “Este ano, percebemos a presença de muitos turistas com maior poder de compra. Isso refletiu positivamente no comércio”.

 


O executivo de Turismo da prefeitura, Luiz Carlos Pinheiro, confirma que o evento foi positivo. “Para o comércio em geral, é evidente que foi melhor em comparação aos anos anteriores”, reflete.

 

 

Foto: Camila Paes/ Arquivo CL

    Assine o CL Online

    Comentários

    Para comentar esta notícia entre com seu e-mail e senha de assinante. Caso não seja assinante, clique aqui. | Esqueci minha senha >>

    • (*) Campos obrigatórios.

    Últimos Comentários