Serra Catarinense. Segunda-feira, 23 de Outubro de 2017
Anuário Lages em Desenvolvimento 2015 | 2016
Instituto José Paschoal Baggio
Anuncie Essencial Correio Lageano
EM CARTAZ
ÁREA DO ASSINANTE

Área de acesso restrito aos assinantes do Jornal Correio Lageano:



Esqueci minha senha

Central do Assinante Correio Lageano (49) 3251-8200
Correio Lageano

Redação: 49 3221 3344
redacao@correiolageano.com.br

Comercial: 49 3221 3322
comercial@correiolageano.com.br

:: 18/06/2017 | Brasil

Com 19 trios elétricos, Parada LGBT de São Paulo deve reunir 3 milhões de pessoas

Com 19 trios elétricos, Parada LGBT de São Paulo deve reunir 3 milhões de pessoas

Texto:

São Paulo, 18/06/2017, Agência Brasil

 

 

Com o tema “Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei. Todas e todos por um Estado laico”, ocorre hoje (18), em São Paulo, a 21ª Parada do Orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros), mais conhecida como Parada Gay. A estimativa dos organizadores é que cerca de 3 milhões de pessoas participem do evento.

 

 

A concentração, que já reúne milhares de pessoas, ocorre desde as 10h em frente ao Museu de Arte de São Paulo (MASP), na Avenida Paulista, região central da cidade, onde 19 trios elétricos vão se encontrar para percorrer a avenida em direção à Rua da Consolação. O percurso é de aproximadamente 3,5 quilômetros. De lá, os participantes seguem para o Vale do Anhangabaú, com os shows de encerramento da cantora Tâmara Angel e de artistas LGBT.

 

 

A jovemTamis Mesquita, de 19 anos, pegou carona de caminhão para chegar a tempo da parada. A carioca, que atualmente mora em São Lourenço, no sul de Minas Gerais, disse que o tema da parada este ano tem tudo a ver com sua história de vida desde que assumiu para a mãe que é lésbica. "Fui expulsa de casa por uma mãe muito religiosa há um mês e meio, ela não me aceitou. Estou me sentindo em casa [na parada], precisava vir pra cá, me sentir bem e ver que pessoas que como eu passam pela mesma situação."

 

 

Augusto Simões Ferro, também de 19 anos, veio de Santos. "É a primeira vez que venho na parada e espero que o protesto seja bom, que afete as pessoas".

 

 

Também pela primeira vez na parada, a bissexual Bianca Figueiredo Gonçalves, de 17 anos, espera que as pessoas entendam o sentido da parada. "Espero que as pessoas se conscientizem, por mais que o mundo tenha ficado mais tolerante ainda não mudou muito, as pessoas ainda têm muito preconceito".

 

 

Segurança

A Guarda Civil Metropolitana (GCM) e a Polícia Militar (PM) fazem a segurança do evento. A Delegacia de Crimes de Intolerância (Decradi) também está de prontidão caso ocorra algum durante o evento.

 

 

O trajeto conta com pontos de apoio com atendimento médico, bombeiro, PM e ambulância, além do auxílio do Centro de Operações da Polícia Militar (Copom) através do monitoramento com câmeras de segurança. Aproximadamente 700 banheiros químicos estão disponíveis ao longo do percurso.

 

 

A 21ª Parada é organizada pela Associação da Parada do Orgulho de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros de São Paulo (APOGLBT/SP) e a Prefeitura de São Paulo. Os trios elétricos são patrocinados por instituições e empresas que apoiam o movimento LGBT, o combate e o fim da discriminação étnica, por sexo ou gênero.

    Assine o CL Online

    Comentários

    Para comentar esta notícia entre com seu e-mail e senha de assinante. Caso não seja assinante, clique aqui. | Esqueci minha senha >>

    • (*) Campos obrigatórios.

    Últimos Comentários