Serra Catarinense. Sábado, 24 de Junho de 2017
Celinho Casas do Araucária
Instituto José Paschoal Baggio
Anuncie Essencial Correio Lageano
EM CARTAZ
ÁREA DO ASSINANTE

Área de acesso restrito aos assinantes do Jornal Correio Lageano:



Esqueci minha senha

Central do Assinante Correio Lageano (49) 3251-8200
Correio Lageano

Redação: 49 3221 3344
redacao@correiolageano.com.br

Comercial: 49 3221 3322
comercial@correiolageano.com.br

Mídia Kit diversar formas de anunciar

:: 17/04/2017 | Serra Catarinense

Desafio pode levar adolescentes ao suicídio

Desafio pode levar adolescentes ao suicídio

Texto:

Lages, 18/04/2017, Correio Lageano, por Andressa Ramos

 

Em Lages foi registrado o primeiro caso de tentativa de suicídio por causa do jogo. Vítima de 15 anos está internada

 

Mães, pais ou responsáveis, já olharam o celular dos adolescentes que moram com vocês? Perceberam alguma mudança no comportamento deles? O alerta é de uma mãe de um adolescente de Lages, de 15 anos, que tentou se matar por duas vezes, depois de participar de um “jogo” no WhatsApp. O desafio da Baleia Azul, incentiva os integrantes a se cortarem, fingirem doenças e, por fim, o suicídio.


Há poucas semanas, a vítima era um adolescente como qualquer outro. Estudioso e dedicado, frequentava a escola pela manhã e, à tarde, era cuidador de duas crianças. Até a semana passada, dividia o quarto com o irmão caçula de 9 anos. Então, pediu para que o pequeno passasse a dormir com a mãe. Ela não viu problema e acatou o pedido. Depois disso, as mudanças foram notórias: olhar triste, passou a ficar mais tempo no quarto e apresentou agressividade.


Numa manhã, a mãe foi ao quarto e o menino não acordava. “Deixei dormir, pensei que era sono”. Perto do horário do almoço ela foi chamá-lo e ele não acordava, nem se mexia. Cartelas de remédios foram encontradas ao seu redor.


No hospital, em meio ao delírio, ele confessou que estava participando de um jogo e que não queria mais viver. O menino voltou para casa e, por três dias, sua mãe o ficou monitorando ininterruptamente, porém, ao ir tomar banho, na terça-feira (11), únicos minutos que ficou sozinho, mais uma vez tomou remédios, saiu do banheiro, deitou e não acordou mais. Desta vez, foi necessário chamar o Samu e ao chegar no hospital ele pedia “não deixa eu voltar para casa, se eu voltar vou morrer. Cuida de mim, mãe”

 

Além de tomar os remédios na tentativa de um suicídio, o garoto fez diversos cortes pelo corpo. Ele está internado no Hospital Infantil Seara do Bem, em um quarto isolado, sem acesso a aparelhos com internet.


A mãe conta que o adolescente recebeu um link via rede social para participar de um grupo, ele clicou e recebeu os 50 passos para cumprir o desafio. Os primeiros foram concluídos, mas por achar que não aguentaria até o final, quis antecipar a 50ª etapa, que era se matar.

 


Sobre o jogo_ O jogo se chama “Desafio da Baleia Azul” e consiste em fazer diversas provas para testar os medos dos participantes, como ouvir músicas perturbadoras e até mesmo andar em cima de prédios muito altos. Todos esses desafios são organizados por um “mentor” em grupos fechados do Facebook e até mesmo de outras redes sociais.

 

 

Psicólogas fazem alerta aos pais sobre redes as sociais

A neuropsicóloga Gisele Willrich Narciso Agostini explica que o pensamento de morte não pode ser banalizado e que quando os adolescentes falam que querem ir embora, mudam abruptamente de comportamento, têm fadiga, dormem demais, apresentam sentimento de desesperança, baixa capacidade de resolução de conflitos e interação social devem procurar um profissional especializado.

 

No caso do Desafio da Baleia Azul, a orientação é que, ao menor sinal, os pais façam o monitoramento das redes sociais e usem da sua autoridade. Gisele explica que da forma como o jogo é apresentado, ele se torna algo natural entre os participantes, pois são várias tarefas a serem cumpridas, por isso, a importância do envolvimento ativo e constante dos pais na vida dos filhos e observação de comportamento.

 

 

Layla Ehing, psicóloga 

"Que saibamos ouvir o jovem, suas necessidades, estabelecer um diálogo de forma empática, rotinas de boas ações, como prática de esportes, trabalho voluntário, que estimulem os jovens a sentirem-se pertencentes ao local em que vivem e, com isso, busquem sempre preservar a vida, tanto a sua, como a do outro.”

 

 

Danielle Angeli, psicóloga

"Os pais, a cada dia, devem estar mais atentos aos comportamentos dos filhos e o que eles postam nas redes, pois ali tem muita informação do que o filho está fazendo, pensando, quem são os relacionamentos deles. É um ambiente muito frágil. Ainda mais que o jogo tem como ponto principal a ideação suicida. Normalmente, são os jovens que já são mais depressivos e estão fragilizados emocionalmente que se envolvem. Então, os pais devem ter esse cuidado.”

 

 

Polícia Civil investiga caso de vítima do jogo em Lages

O delegado da Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso de Lages, Frederico Cezar de Melo Silva, afirma que um caso sobre o Desafio da  Baleia Azul está sendo investigado na cidade, mas não passou detalhes sobre a ocorrência. No Brasil, que ele saiba, nenhuma pessoa foi presa envolvida neste jogo. Em Santa Catarina, outros casos estão sendo investigados. O delegado explica que o jogo atinge, principalmente, pessoas com algum tipo de fragilidade emocional, e pede para que os pais procurem acompanhamento psicológico

 


A mãe do adolescente, vítima desse jogo, contou que o celular com todas as conversas entre o curador, pessoa que enviou os desafios que o garoto deveria cumprir, e o seu filho, foram entregues à Polícia Civil. No celular, estão mensagens do grupo de WhatsApp, Blue Whale Challenge, em que fotos com cortes pelo corpo foram enviadas, além disso, há textos que ameaçam o adolescente quando tenta dizer ao curador que não fará mais parte do desafio.

 


O jogo_  A mãe relata que nas conversas, um grupo de organizadores chamados “curadores”, propõe 50 desafios macabros, como fazer fotos assistindo a filmes de terror, automutilar-se desenhando baleias com instrumentos afiados em partes do corpo e ficar doente. O desafio foi criado na Rússia e pode ser o motivo pelo qual 100 pessoas já morreram no país.

 


Ajuda_ Os pais podem procurar ajuda gratuita no Centro de Atenção Psicossocial Infância e Adolescência. Médicos, psicólogos e psiquiatras fazem atendimento. A coordenadora do Centro, Cássia Broering, alerta para que os pais observem e monitorem seus filhos.

 

 

Quer vender? Aqui tem + Classificados. Anuncie grátis!

 

 

Fotos: Divulgação

    • Desafio pode levar adolescentes ao suicídio
      Grupo é criado como forma de fiscalizar se os integrantes estão cumprindo as...
    • Desafio pode levar adolescentes ao suicídio
    • Desafio pode levar adolescentes ao suicídio
    Assine o CL Online

    Comentários

    Para comentar esta notícia entre com seu e-mail e senha de assinante. Caso não seja assinante, clique aqui. | Esqueci minha senha >>

    • (*) Campos obrigatórios.

    Últimos Comentários